A que ponto chegamos?

Como a indiferença religiosa criou um mundo cada vez mais hostil à fé católica

“Vivemos numa época em que são evidentes os sinais do secularismo. Deus parece ter desaparecido do horizonte de várias pessoas ou ter-se tornado uma realidade diante da qual o homem permanece indiferente” (Bento XVI)


Bento XVI – Audiência Geral

As palavras acima pertencem ao Papa Emérito Bento XVI e foram proferidas no ano de 2011, durante uma Audiência Geral. Apesar do aparente pessimismo quanto à cultura moderna, o discurso do Santo Padre é preciso e, ao mesmo tempo, preocupante. Primeiro porque reflete sobre o avanço cada vez mais desenfreado do secularismo e do indiferentismo religioso. Segundo porque faz alusão aos sinais dessa nova cultura que, sob muitos aspectos, se apresenta de maneira violenta e agressiva contra a religião cristã.

Se no passado os gritos de ordem dos opositores da Igreja eram frequentemente recheados de bonitos apelos pela “tolerância”, “pluralidade”, “respeito” e “igualdade”, hoje, a ação desses grupos não tem qualquer pudor de se valer de ofensas, injúrias e até violência física e verbal. Uma mostra do processo de imbecilização da sociedade que, infelizmente, parece caminhar a passos largos. Quando se coloca de lado a reta razão e se se deixa levar pelas ideologias utópicas, cheias de promessas de um “mundo melhor”, o homem assume o risco de criar um ainda pior que o anterior. E a História é prova disso.

No entanto, apesar do testemunho contundente do fracasso das ideologias revolucionárias, a quantidade daqueles que se decidem pelos modismos da época multiplica-se de uma maneira inaudita. Ao mesmo tempo, a repressão a tudo que se refere à religiosidade, seja em termos morais, seja culturais, tem quase status de cláusula pétrea dentro da agenda secularista. Achou um exagero? Então leia os casos a seguir!

Bruxelas – Bélgica – um bispo católico atacado por um grupo de mulheres seminuas protestando contra a “homofobia”. (termo cunhado para rotular de preconceituoso qualquer crítica ao homossexualismo). A cena é chocante. Trata-se das ativistas do Femen e do arcebispo de Mechelen-Bruxelas, Dom Andre-Joseph Leonard, em mais um episódio grotesco da loucura feminista. Durante uma conferência de Dom Leonard numa universidade da cidade, as senhoras desnudas invadiram o auditório e tacaram-lhe água, enquanto gritavam e blasfemavam de maneira histérica. Não obstante à agressão, Dom Leonard não reagiu e sequer lhes dirigiu o olhar. Respondeu apenas com um beijo na imagem da Virgem Santíssima.



Paris – França
– uma tarde de domingo de Páscoa e uma família reunida no Jardim Luxemburgo para comemorar a festa cristã. É uma situação aparentemente normal. Mas havia um inconveniente, pelo menos para a militância gay. O pai, Franck Talleu, vestia uma camisa com a estampa de uma família tradicional. Foi o suficiente para que a polícia o abordasse e o levasse preso por ferir os sentimentos das minorias sexuais. Após ser liberado, Talleu se questionou ao dar uma entrevista para o jornal francês Le Figaro: “Se um único desenho de uma família em uma camiseta é imoral, o que dizer de um casal na rua de mãos dadas com seus filhos? Será que vão prender, multar todo mundo?”

Franck Talleu preso por vestir uma blusa com desenho de uma família tradicional.

Universidade do Estado de Ohio – Estados Unidos – um grupo pró-vida expõe imagens de bebês abortados quando, de repente, uma mulher decide destrui-las. “Vocês querem uma super população na Terra? Vocês realmente querem pagar impostos por bebês que são filhos de viciados em crack?”, questionava a jovem, enquanto quebrava todas as placas do movimento pró-vida. Segundo o site LifeSiteNews, infelizmente, tem se tornado comum ataques de pessoas a favor do aborto a manifestações pacíficas de grupos em defesa da vida. No começo do mês, manifestantes que rezavam a bíblia em frente a uma clínica abortista do Estado de Mississipi foram abordados por um homem com duas facas. A intenção do rapaz era cortar os banners dos pró-vida. Apesar do susto, ninguém se feriu.

E no Brasil, nem é necessário recordar os vergonhosos ataques dos militantes gayzistas aos membros do Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, durante uma pacífica manifestação contra o aborto e o “casamento” gay, em Curitiba-PR. As cenas ainda estão frescas na memória e provocam asco. São o triste retrato de uma geração que, à imagem e semelhança da manada de porcos do Evangelho, se atira em direção ao abismo cantando hinos de aleluia.

Diante dessas más notícias, porém, a reação de muitos é de fraqueza e desânimo. E aqui, há de se fazer um mea culpa, pois se as coisas chegaram neste ponto, a responsabilidade, em grande parte, está nas costas de tantos católicos que mantiveram um silêncio escandaloso, quando, na verdade, deveriam ser os primeiros a se levantarem em defesa da cruz de Cristo. Mas será possível que Santa Catarina de Sena terá que vir à Terra de novo ensinar o povo cristão a ser homem? Para onde foi o profetismo e o testemunho dos mártires que durante séculos exalaram o odor da santidade com o derramamento de sangue?

Já Pio XII criticava a letargia espiritual dos católicos diante das investidas ameaçadoras do inimigo de Cristo. O Papa os chamava de “cadáveres ambulantes”. Mas não, o cristão não é, nem pode ser um “cadáver ambulante”, sua vocação é de ser sal da terra e luz do mundo. E somente um novo despertar da fé será capaz de modificar o rumo dessa época, que, terrivelmente, “jaz no maligno” (Jo 5, 19). “Vitória, tu reinarás, ó cruz tu nos salvarás”!

Fonte: Equipe Christo Nihil Praeponere

As portas do inferno não prevalecerão

Por Pe. Georges Chevrot.

Desesperando de poder corromper as almas cristãs, as potências do inferno recorreram e recorrem ainda a um supremo recurso: a perseguição exterior. Cristo não deixou de prevenir os Apóstolos a esse respeito: Sereis perseguidos e arrastados aos tribunais, açoitar-vos-ão e dar-vos-ão a morte. Em todos os povos encontrareis homens que vos odiarão por causa do seu nome, mas confiai: eu venci o mundo (Mt 10, 17-22; Jo 16, 33).

Esta predição converteu-se numa realidade. Logo após o seu nascimento em Jerusalém, a Igreja foi perseguida pelos judeus. Depois, durante dois séculos e meio, o poder imperial de Roma serviu-se contra ela de todos os meios coercitivos possíveis: o confisco, o exílio, os trabalhos forçados e a pena capital precedida de suplícios. A este propósito, foi possível dizer que “depois de admirar que se tivessem encontrado juízes capazes de pronunciar contra os cristãos penas tão espantosas, não surpreende menos que as vítimas tivessem sido capazes de suportá-las”. No entanto, longe de impedir a propagação da Igreja, a perseguição homicida acelerou o seu ritmo: “Nós nos multiplicamos – escrevia Tertuliano – à medida que nos ceifais: o sangue dos mártires é semente de cristãos”.

A perseguição abate-se permanentemente sobre a Igreja, ora num país ora no noutro. As crueldades dos pagãos de outrora têm sido ultrapassadas no presente pelos verdugos comunistas. No entanto, a violência não consegue levar de vencida a Igreja.

As potências do inferno sabem mudar de tática. Um dos seus representantes proclamava-o recentemente no Parlamento: “A franco-maçonaria é eterna!” O que quer dizer: as forças do mal nunca capitularão. Cristo tinha-o dito antes desse deputado. Os poderes adversos forjarão contra a Igreja leis que, em alguns casos, dificultarão a sua atividade e, em outros, a impedirão por completo.

Com maior perversidade ainda, procurarão afastar da influência cristã os espíritos e os corações das massas populares mediante uma pressão metódica sobre a escola e sobre a imprensa. Nenhum meio lhes parecerá ignóbil na sua campanha de descristianização: nem o incentivo à imoralidade, nem o apelo às baixas paixões da inveja e do ódio, por mais trágicas que sejam as conseqüências das suas campanhas. Não recuarão perante a destruição da família, a corrupção da mulher, as convulsões sociais ou a própria guerra se, por esse preço, obtiverem a ruína da Igreja. E, para acumulo de hipocrisia, as seitas anticristãs ocultarão as suas manobras por trás de uma fachada filosofia, pseudo-científica ou beneficente.

Nesta guerra sem quartel de que as almas são presa, a Igreja combate corajosamente, sem olhar a sacrifícios para defender os seus filhos da mentira e do erro. De um ponto de vista humano, combate com armas desiguais, porque o ouro, os favores, os meios de comunicação e as ameaças não se encontram do seu lado. Humanamente, deveria ser vencida. Há séculos que os corifeus do anticristianismo assinaram a sua sentença de morte.

Já em tempos de Santo Agostinho os inimigos da Igreja declaravam: “A Igreja vai morrer, e os cristãos tiveram a sua época”. Ao que o bispo de Hipona respondia: “No entanto, são eles que morrem todos os dias e a Igreja continua de pé, anunciando o poder de Deus às gerações que se sucedem”. “Vinte anos mais – dizia Voltaire -, e a Igreja católica terá acabado…” Vinte anos depois, Voltaire morria e a Igreja católica continuava a viver. “A Igreja – escrevia Jules Janin – estava gravemente doente antes de 1830, mas a revolução de Julho matou-a de vez!” Renan Julgou que a amortalhava coberta de flores. Orpheus devia dar-lhe o tiro de graça… Assim, desde Celso, no século III, não houve uma única geração em que os coveiros não se preparassem para sepultar a Igreja; e a Igreja vive. Montalembert dizia-o magnificamente, em 1845, na Câmara dos Pares: “Apesar de todos os que a caluniam, subjugam ou atraiçoam, a Igreja católica tem há dezoito séculos uma vitória e uma vingança asseguradas: a sua vingança é orar por eles; a sua vitória, sobreviver-lhes”.

Cristo não nos enganou: as portas do inferno não prevalecerão contra a sua Igreja. Perpetuamente atacada, cercada de dificuldades e atraiçoada, prossegue com serenidade e confiança a missão que lhe foi marcada pelo seu fundador. A sua existência consiste, segundo a feliz expressão de Faber, numa “contínua derrota vitoriosa”. É humana e fraca a nossa Igreja, e sempre se encontra na véspera ou na antevéspera de um fracasso; mas não é divino que consiga sair sempre vitoriosa de todas essas derrotas?

“Há um certo prazer – dizia Pascal – em nos encontrarmos num barco açoitado por uma tormenta, quando temos a certeza de que não pereceremos. As perseguições que se abatem sobre a Igreja são desta natureza”.

Não podemos duvidar nunca da nossa Igreja. A sua história é um contínuo milagre, sobre o qual podemos apoiar a nossa fé. Mas se acreditamos que o Filho de Deus vive na sua Igreja, se estamos persuadidos de que a Igreja é o Corpo de Cristo, de que ela é Cristo e somos nós, não adormeceremos no sentimento da nossa segurança. JesusCristo pede-nos a ajuda do nosso esforço pessoal, a fim de contribuirmos para o triunfo de sua Igreja sobre os poderes do mal.

Cabe-nos reduzir as doenças que ela sofre com as nossas faltas humanas e suprimir as manchas que ocultam ao mundo o brilho do seu caráter divino.

Os nossos antepassados não diziam, secamente, como nós: “a Igreja”; com maior beleza, diziam sempre: “a Santa Igreja”. A ela devemos os desejos e os rebentos de santidade que, apesar de tudo, podemos reconhecer em nós. Por isso, cada um de nós deve esforçar-se por tornar a nossa Igreja cada vez mais santa.

Fonte: fragmento do livro “Simão Pedro”, de autoria de Georges
Chevrot. (CHEVROT, Georges. Simão Pedro. São Paulo: Quadrante, 1990.
p. 70-73).

Exigem censura a colunista defensor da família no Brasil

Retirado de http://www.acidigital.com/noticia.php?id=24108

Rio de Janeiro, 05 Set. 12 / 06:58 pm (ACI).- Cerca de 3.800 pessoas assinaram petição eletrônica exigindo que o maior jornal do Paraná, Gazeta do Povo, censure o filósofo e colunista semanal, professor Carlos Ramalhete, por publicar opinião contrária à recente sentença do Tribunal de Justiça do Paraná que autorizou, sem qualquer restrição, a adoção de um menino por dois homossexuais, cujos nomes constam como pais biológicos na nova certidão de nascimento da criança.

Em seu mais recente artigo, “Perversão da Adoção”, publicado na última quinta-feira, 30, Ramalhete acusou o Estado Brasileiro de cometer abuso de poder ao permitir que uma criança adotada tenha certidão de nascimento com registro de “dupla paternidade”, a exemplo da recente decisão do TJ do  Paraná.

O artigo de Ramalhete foi reprovado pelo Conselho Regional de Psicologia do Paraná (CRP-PR) que, em nota no site oficial da categoria, afirmou que o colunista “fere a dignidade do indivíduo e ultrapassa qualquer espaço de expressão que possa ser alegado”.

O CRP-PR foi a única entidade representativa a fazer eco às manifestações de centenas de pessoas que desde a publicação do artigo encontraram, na página do colunista, no Facebook, espaço para acusá-lo
de incitar ódio e discriminação contra minorias. Posteriormente o acesso à página foi restringido apenas a seus administradores – auxiliares do colunista -, devido ao crescente número de ofensas e
ameaças ao autor do artigo.

“Recebi mais de mil mensagens com ameaças e ofensas por ter afirmado o evidente: que o lugar de uma criança é com um pai e uma mãe. A defesa da família, no Brasil de hoje, tornou-se motivo para ódio e ameaças de morte. É a voz da maioria silenciosa sendo calada e tendo calado o seu direito de cidadania, é a imposição pela força dos tribunais da opinião de uma minoria”, afirmou Carlos Ramalhete à ACI Digital.

Contra a censura ao colunista, um grupo de leitores criou a página Ramalhete Livre (http://www.facebook.com/Ramalhetelivre), no Facebook, que conta com mais de 100 mil pessoas alcançadas, de acordo com seus administradores ouvidos por ACI Digital. A página reúne argumentos em prol da liberdade de expressão e denuncia suposta tentativa de grupos de interesse em criminalizar a opinião, de forma especial a opinião contrária à desconstrução da família.

O jornal Gazeta do Povo se pronunciou sobre a polêmica, afirmando que a opinião de seus colunistas não necessariamente refletem a opinião do veículo e, até o momento, não se manifestou sobre o destino de Ramalhete que, semanalmente, tem seus artigos publicado sempre às quintas-feiras no jornal.

Cristofobia: 17 cristãos são mortos por hora, a cada dia, em algum lugar do mundo!


Fonte: http://www.comshalom.org/blog/carmadelio/

A celebração anual dos Estados Unidos pelo Dia da Independência foi acompanhada este ano pela Fortnight for Freedom dos bispos dos EUA, uma rodada de oração e de defesa dedicada à preservação da liberdade Religiosa. O exercício renovou o debate sobre se há ou não uma guerra contra a religião nos Estados Unidos, alimentada, naturalmente, pela política das eleições de 2012.

A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada no jornal National Catholic Reporter, A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Inegavelmente, há importantes questões Igreja-Estado em jogo nos EUA. Em outros lugares, porém, há uma guerra decididamente literal contra a religião vindo pela frente. Suas vítimas  são ameaçadas, espancadas, presas e até mesmo assassinadas.

Aqui está um rápido retrato do que estava acontecendo ao redor do mundo.

– O Pe. Joseph Zhao Hongchun, administrador apostólico da diocese chinesa de Harbin, foi levado sob custódia policial no dia 4 de julho para impedi-lo de alimentar a oposição à ordenação ilícita de um novo bispo de Harbin orquestrada pelo governo. Ele foi detido por três dias e liberado apenas depois que a ordenação ocorreu.

– O novo bispo auxiliar de Xangai, Dom Thadddeus Ma Daqin, foi posto sob prisão domiciliar em um seminário depois de ter renunciado publicamente à Associação Patriótica dos Católicos Chineses controlada pelo governo durante a sua missa de ordenação no dia 7 de julho, que ocorreu com a bênção do papa.

– O Rev. Kantharaj Hanumanthappa, pastor pentecostal no estado indiano de Karnataka, estava celebrando um culto no dia 4 de julho quando 20 radicais hindus invadiram o lugar para acusar os cristãos de proselitismo, ameaçando-os se não fossem embora. Uma denúncia policial foi arquivada, mas nenhuma ação foi tomada.

– A casa particular do pastor Ramgopal, ministro pentecostal do estado indiano de Uttar Pradesh, foi invadida pela polícia juntamente com radicais hindus. O grupo supostamente teria dito ao pastor: “Ou você vai embora e nunca mais volta, ou nós vamos prendê-lo”. Ele foi libertado somente depois de assinar uma declaração prometendo a não celebrar mais serviços de oração na região.

– Um padre católico no Vietnã, J. B. Nguyen Dinh Thuc, foi atacado por policiais à paisana e por bandidos que supostamente teriam recebido 25 dólares por cabeça para invadir uma capela missionária em uma área rural no dia 1º de julho. Seu objetivo era impedir a celebração de uma missa, parte do que os católicos locais descrevem como uma política de “limpeza religiosa” imposta por Hanói. Quando o padre tentou abrir caminho pela multidão, ele foi espancado, juntamente com diversos leigos que foram em seu socorro. Maria Thi Than Ngho, uma das leigas, sofreu uma fratura no crânio durante o confronto. Até o fechamento desta edição, ela permanecia em estado crítico.

– Yelena Kim, uma batista do Uzbequistão, presa no fim de junho por ter “ensinado religião ilegalmente”, está agora diante de três anos atrás das grades depois que a polícia invadiu a sua casa e confiscou as suas Bíblias, seus hinários e outros materiais religiosos.

– Ghulam Abbas, um homem com deficiência mental de uma região do Punjab sob o controle paquistanês, foi jogado na prisão no dia 3 de julho, depois de rumores de que ele havia queimado algumas páginas de um Alcorão. Antes de que se pudesse fazer qualquer investigação ou julgamento, uma multidão muçulmana extremista invadiu a cadeia, arrastou Abbas da sua cela e o queimou vivo. Segundo observadores locais, esse é pelo menos o 35º assassinato extrajudicial que ocorre depois de uma detenção segundo as famosas leis da blasfêmia do Paquistão desde 1986.

Profundos agradecimentos ao serviço de notícias Asia News por nos trazer essas histórias, que, de outra maneira, seriam quase totalmente negligenciadas.

Esses relatos dão carne e sangue à mais impressionante narrativa cristã do início do século XXI, que é o surgimento de toda uma nova geração de Mártires pela Fé. Segundo a Sociedade Internacional para os Direitos Humanos, 80% de todos os atos de discriminação religiosa no mundo de hoje são dirigidos contra cristãos, tornando o cristianismo, de longe, a comunidade religiosa mais perseguida do planeta. Estimativas confiáveis dizem que cerca de 150 mil cristãos são mortos pela fé todos os anos, o que se traduz em 17 novos mártires a cada hora de cada dia.

A história de Abbas no Punjab também é um lembrete de que os cristãos não são os únicos que sofrem, já que os relatos sugerem que ele era, na realidade, um muçulmano. De acordo com um recente estudo de uma comissão daConferência dos Bispos do Paquistão, pelo menos 964 pessoas foram acusadas sob as leis da blasfêmia entre 1986 e 2009, das quais 479 eram muçulmanas, 119 cristãos, 340 ahmadis, 14 hindus e 10 de outras religiões. Essas detenções, muitas vezes, são o pretexto para violências e assassinatos realizados em multidão, como no caso Abbas.

Os bispos dos EUA, em colaboração com a Catholic University of America e o Catholic Relief Services, estão planejando realizar uma conferência intitulada Liberdade religiosa internacional: Um imperativo para a paz e o bem comum no dia 12 de setembro em Washington. O cardeal Timothy Dolan, de Nova York, fará o discurso de abertura, e um alto diplomata vaticano, o arcebispo francês Dominique Mamberti, foi convidado para proferir o discurso de encerramento.

Nota Pastoral

DOM ANTONIO CARLOS ROSSI KELLER
PELA GRAÇA DE DEUS E DA SANTA SÉ APOSTÓLICA
BISPO DE FREDERICO WESTPHALEN (RS)
Nota Pastoral
a respeito da determinação do Tribunal de Justiça
do Estado do Rio Grande do Sul,
estabelecendo a retirada dos símbolos religiosos dos locais públicos da Justiça.
O Conselho da Magistratura do TJ – RS determinou, nesta última terça feira, dia 06 de março, a retirada de todos os símbolos religiosos presentes nos prédios da justiça gaúcha.
O pedido para tal decisão tem a sua origem na Liga Brasileira de Lésbicas, através de uma solicitação protocolada em fevereiro de 2012. Tal decisão contraria o que a antiga administração do TJ – RS já tinha deliberado sobre esta questão, entendendo, na ocasião, não existir qualquer princípio preconceituoso na instalação de símbolos religiosos nas dependências dos prédios da justiça.
Como Bispo Diocesano, quero, através desta Nota Pastoral, expressar minha surpresa e meu repúdio a tal decisão.
É lamentável que o egrégio Tribunal de Justiça dobre-se diante da pressão de um grupo determinado, ideologizado e raivoso, contrariando a opinião da grande maioria da população do Estado do Rio Grande do Sul.
A interpretação dada pelo excelentíssimo relator daquilo que é a laicidade do Estado revela distorção de visão.
Como em outros países, orquestram-se movimentos pela expulsão do crucifixo das salas dos tribunais, das escolas e de outros lugares públicos, sob o pretexto de que o Estado deva respeitar as religiões que não adotam o mesmo símbolo, bem como aqueles que não adotam nenhuma forma de expressão religiosa.
Países com elevada tradição jurídica já rechaçaram tais argumentos, demonstrando cabalmente que a exposição passiva, em público, de símbolos religiosos não pode ser entendida como um proselitismo estatal de favorecimento a algum culto, ou como uma afronta à liberdade dos que ou não professam a fé em Cristo ou não professam algum tipo de fé.
No Brasil, o próprio Conselho Nacional de Justiça indeferiu tal pretensão, afirmando que a presença de um símbolo religioso, in casu o crucifixo em uma dependência de qualquer órgão do Judiciário, “não viola, não agride, não discrimina e nem sequer perturba ou tolhe os direitos e a ação de qualquer tipo de pessoa”, na expressão do então Conselheiro Oscar Argollo.
“A liberdade religiosa consiste na liberdade para professar a fé em Deus. Por isso, não cabe argüir a liberdade religiosa para impedir a demonstração da fé de outrem em certos lugares, ainda que públicos. O Estado, que não professa o ateísmo, pode conviver com símbolos dos quais não somente correspondem a valores que informam sua existência cultural, como remetem a bens encarecidos por parcela expressiva da sua população – por isso, também, não é dado proibir a exibição de crucifixos ou de imagens sagradas em lugares públicos”. [1]
Diante de tal decisão, como Bispo Diocesano, venho solicitar:
1. AOS EXCELENTÍSSIMOS SENHORES MAGISTRADOS dos Fóruns das Comarcas presentes na área compreendida pela Circunscrição Eclesiástica da Diocese de Frederico Westphalen, RESPEITOSAMENTE, a entrega dos símbolos religiosos católicos (crucifixos, demais imagens sagradas, Bíblias, etc..), caso os mesmos pertençam ao Tribunal e não ao Poder Judiciário, para os respectivos párocos das Paróquias Sedes das mesmas Comarcas, para que os mesmos custodiem as referidas imagens e delas cuidem.
2. AOS REVERENDÍSSIMOS SENHORES PÁROCOS das Paróquias nas quais existam Fóruns, que recebam os símbolos religiosos católicos das mãos dos Excelentíssimos senhores Magistrados, emitindo um recibo em três vias, detalhando o que foi entregue, sendo uma via para o Excelentíssimo senhor Magistrado, uma via para a Paróquia e uma via para a Cúria Diocesana.
3. AOS SERVIDORES PÚBLICOS DA JUSTIÇA, que professam a fé católica, que mantenham os sinais religiosos católicos que costumam usar pessoalmente (terços, escapulários, medalhas, crucifixos, etc…) e que, no esmero do trabalho em favor da justiça, especialmente no serviço dos mais necessitados e carentes dela, demonstrem sua fé católica, mantendo Jesus Cristo, Nosso Senhor, sempre presente nestes ambientes públicos.
Podem nos tirar os crucifixos e as imagens expostas em locais públicos. Mas jamais poderão tirar de nós a fé e a adesão aos princípios e valores do Evangelho.
Dada e passada em nossa Sede Episcopal, aos sete dias do mês de março do ano do Senhor de dois mil e doze.
+ Antonio Carlos Rossi Keller

Bispo de Frederico Westphalen (RS)

Disponível em http://acrkeller.blogspot.com.br/2012/03/dom-antonio-carlosrossi-keller-pela.html

Cristofobia

Por Reinaldo Azevedo

Não sou gaúcho. Modestamente, apenas brasileiro. Fosse, estaria ainda mais envergonhado do que estou com a decisão tomada pelo Conselho da Magistratura do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS), que acatou um pedido da Liga Brasileira de Lésbicas e de algumas outras entidades para que sejam retirados todos os crucifixos e outros símbolos religiosos das repartições da Justiça do Estado. Justificativa: o estado é laico. Publiquei uma pequena nota na noite de ontem, e muito gente apoiou a decisão. Publiquei, diga-se, as opiniões que não vieram acompanhadas de boçalidades anti-religiosas. Vamos lá.

O estado brasileiro é laico, sim, mas não é oficialmente ateu ou anti-religioso. E vai uma grande diferença entre uma coisa e outra. A República brasileira não professa um credo, mas não persegue crenças e crentes. Que dias estes que estamos vivendo! O cristianismo está profundamente enraizado na história e na cultura do Brasil. Os crucifixos não estão em tribunais e outras repartições para excluir, humilhar, discriminar, impor um valor ou qualquer coisa do gênero.
 Ao contrário até: basta ater-se aos fundamentos dessa fé, mesmo quem não tem fé, para constatar que os valores éticos que ela reúne constituem o fundamento — eis a verdade — da moderna democracia. Sim, meus queridos, foi o cristianismo que inventou a igualdade entre os homens. E não, isso não quer dizer que sua história tenha sido sempre meritória.
Por que a Liga Brasileira das Lésbicas  —  E ME FAÇAM O FAVOR DE NÃO CONFUNDIR ESSE GRUPO MILITANTE COM MULHERES LÉSBICAS, TOMADAS NA SUA INDIVIDUALIDADE — não pede a demolição da Catedral de Brasília, plantada na Praça Três Poderes? Por que não pede que o Rio ponha abaixo o Cristo Redentor? Urge mudar o nome de São Paulo, de Santa Catarina, do Espírito Santo, de São Luís, de centenas de cidades brasileiras que refletem a óbvia importância que o cristianismo, especialmente o catolicismo, teve entre nós.
Os que entraram com essa ação ridícula, acatada pelo Conselho da Magistratura, agem à moda do Taliban, que destruiu, em 2001, os Budas de Bamiyan, no Afeganistão, que datavam, no mínimo, do século 7 porque consideraram que eles ofendiam a fé islâmica. No Brasil, cuida-se agora de outro fundamentalismo.
Notem bem: se alguém propusesse uma lei que obrigasse repartições públicas a exibir o crucifixo, eu estaria entre os primeiros a protestar. Retirar, no entanto, os que foram herdados de uma tradição cultural, religiosa e civilizacional, bem, isso é um crime contra a nossa história, cometido para satisfazer vocações fundamentalistas. Os doutores e a tal liga das lésbicas que me perdoem, mas estão jogando no lixo ou mandando para o armário valores como igualdade entre os homens, caridade e… justiça! O cristianismo, prova-o a história, é também umas das primeiras correntes de pensamento realmente influentes a proteger a vida e os direitos das mulheres — à diferença do que pretende essa militância boçal.
Isso nada tem a ver com laicismo do estado. O que se caracteriza, aí sim, é perseguição religiosa. Não tenho dúvida de que muitos dos defensores dessa medida não hesitariam um segundo em defender também o “direito” de tribos indígenas brasileiras que praticam o infanticídio. E o fariam sob a justificativa de que se trata de uma tradição cultural…
O que mata e o que dá vida A tal liga tem agora de avançar contra a Constituição Brasileira. Afinal, Deus está lá. Vejam que sociedade de iniqüidades se construiu nos Estados Unidos, onde as pessoas ainda juram com a mão posta sobre a Bíblia. Que país ridículo é aquele capaz de cantar em seu hino: “In God is our trust”, discriminando ateus e agnósticos? O paraíso da liga é a Coréia do Norte, de onde a religião foi banida. Ou a China. Boa era a antiga União Soviética. Igualitários e sem preconceitos eram os países da Cortina de Ferro. Bacana é Cuba, sem essas frescuras com o Altíssimo… Como dizem alguns ateus do miolo mole, as religiões matam demais! Os regimes laicos, especialmente os comunistas, é que souberam proteger os homens, não é mesmo?
Sim, sinto-me bastante envergonhado por aquela gente toda — as que pediram o fim dos crucifixos e as que aceitaram o pleito. O cristianismo é hoje a religião mais perseguida do mundo. Um iraniano foi condenado à morte por se converter. Começamos a assistir a uma variante da perseguição religiosa em nosso próprio país.
Não duvidem! Se as confissões cristãs aderissem à pauta da Liga Brasileira de Lésbicas — seja ela qual for —, o pedido não teria sido encaminhado. Como isso não aconteceu nem vai acontecer, elas resolveram que um símbolo, que tem valor para mais de 90% dos brasileiros (entre católicos, protestante tradicionais e evangélicos), tem de desaparecer. A desculpa? O laicismo do estado.
Eis aí mais um exemplo do fascismo de minorias. Uma leitora relatou aqui a sua participação num fórum que debateu a legalização do aborto. Um grupo de feministas defendeu de modo muito enfático que o combate ao aborto seja considerado um crime. Afinal, argumentaram, é uma questão de direitos humanos e de direitos da mulher… Em breve, será crime simplesmente não concordar com “eles”.
Os doutores do Rio Grande do Sul confundiram laicismo do estado com o ateísmo militante do estado. Mandaram para o lixo mais de 2 mil anos de cultura ocidental e mais de 500 da história do Brasil. Afinal, a Liga das Lésbicas ficava muito ofendida ao ver na parede aquele signo. O signo que está na raiz das idéias de igualdade no Ocidente.
Para encerrar: lembrem-se que essa era uma das propostas do “Plano Nacional-Socialista de Direitos Humanos”. Não vingou porque a sociedade reagiu. Os militantes não se conformaram e foram à luta. Encontraram os doutores que lhes deram guarida.
O crucifixo está sendo expulso dos tribunais do Rio Grande do Sul. Como isso afronta os valores da esmagadora maioria do povo gaúcho SEM QUE SE GANHE UMA VÍRGULA NA ESFERA DO DIREITO, uma parte da justiça está necessariamente sendo expulsa com ele.
A esmagadora maioria do povo acredita em Deus, mas as elites militantes não acreditam no povo. Tampouco exercem o poder em seu nome. Ponto!
%d blogueiros gostam disto: