Eu me casei e formei uma família aos 21 anos de idade e tenho 4 razões para estar muito feliz com isso

http://www.aleteia.org/pt/estilo-de-vida/artigo/eu-me-casei-e-formei-uma-familia-aos-21-anos-de-idade-e-tenho-4-razoes-para-estar-muito-feliz-com-isso-5324929880817664

 

topic (2)

 

Minha esposa e eu nos casamos no último verão antes de acabarmos a faculdade. Nosso primeiro filho foi concebido poucas semanas depois. De propósito. E foi uma das melhores decisões da nossa vida.
Com os índices do casamento rolando ladeira abaixo e a idade dos noivos subindo cada vez mais, nós sabemos que somos uma espécie de anomalia dentro da cultura atual.

Não, nós não somos membros de nenhuma seita esquisita, nem fomos pressionados pelos nossos pais para fazer o que fizemos (muito pelo contrário…). Aliás, não muito tempo antes do noivado, nós também achávamos que casar e começar uma família ainda na faculdade era uma ideia louca.

Mas nós nos apaixonamos.

Pois é, os ventos fortes do amor romântico nos empurraram para o plano de casar no último ano da faculdade. Mas, como eu já escrevi em algum outro lugar, nós também tínhamos o plano implícito da contracepção (como quase todo mundo…). E enquanto tentávamos escolher um método contraceptivo para chamar de nosso, acabamos descobrindo os argumentos católicos contrários a isso: para nossa própria surpresa, ficamos convencidos de que a contracepção é mesmo contrária à moral natural.

Passamos então a nos sentir bem à vontade com o planejamento familiar natural, mas também nos convencemos de que a principal finalidade do casamento é a família: os filhos só devem ser evitados por um casal se houver muito boas razões. E nós não tínhamos nenhuma. Foi assim que, para a nossa própria felicidade, decidimos viver abertos à vinda dos filhos desde o início. Tudo isso foi acontecendo: nós não tínhamos esse planejamento no começo do namoro.

Compartilho este relato para dizer que nenhum de nós pensava em ter filhos cedo, mas, pela graça de Deus, eu hoje tenho muito orgulho em dizer que estamos casados ​​há quatro anos e meio, temos dois filhos e o terceiro já está a caminho.

E esses têm sido os melhores anos das nossas vidas! Não nos arrependemos de nada: pelo contrário, vemos todas as grandes bênçãos que poderíamos ter perdido se tivéssemos seguido o caminho cultural normal, adiando (provavelmente por tempo indeterminado) o casamento e os filhos.

Bom, agora sim: aqui vão quatro razões que me fazem considerar que tomamos uma ótima decisão!

1) Estamos desfrutando da nossa vida sexual juntos de forma saudável, realizadora e construtiva.

Gente jovem tem impulsos sexuais. E isto é ótimo! O que é triste é que a nossa cultura seja projetada basicamente para garantir que a própria sexualidade seja obcecada, frustrante, vazia e autodestrutiva.

O tempo de estudos, hoje em dia, se estende para bem além do nosso amadurecimento físico, dificultando, na prática, que as pessoas façam uso normal da sua sexualidade no sentido mais pleno de intimidade e entrega mútua: ou seja, casando e tendo filhos. Só que as pessoas continuam tendo os seus naturais impulsos sexuais: daí o uso do sexo pelo sexo, degradando-se e usando os outros como objetos. E apesar de toda a sanha da cultura atual contra a gravidez, às vezes o ato da procriação (surpresa!) ainda leva a procriar! E as mulheres ficam reféns da criação de um filho, sozinhas ou com alguém que não as ama ou a quem elas não amam; ou, pior ainda, perdem a esperança e decidem que o melhor é matar o próprio filho.

Minha esposa e eu não somos perfeitos, mas temos sido abençoados com a oportunidade de desfrutar de verdade da nossa sexualidade. Temos a segurança do casamento e não vamos interromper o processo natural com meios contraceptivos. Estamos deixando a nossa sexualidade dar os frutos para os quais a natureza a concebeu: filhos!
Este é o segredo que torna tudo muito mais alegre, emocionante e divertido.

2) Fomos pais de primeira viagem na plenitude do nosso vigor físico.

Cuidar de crianças pequenas demanda uma quantidade incrível de energia, paciência e resistência, recursos que diminuem à medida que envelhecemos. E o primeiro filho dá ainda mais trabalho, já que o casal não tem experiência. Alguma razão existe, portanto, para Deus ter feito com que a maioria das pessoas não conceba filhos depois de uma certa idade.

A nossa juventude nos ajudou muito a dar conta das muitas noites sem dormir e do estresse geral de cuidar de bebês. Se Deus quiser, continuaremos tendo filhos e os próximos virão dentro de uma cultura familiar já estabelecida!

3) Aproveitamos a melhor época da nossa vida para ter filhos e temos grandes chances de formar uma família grande.

O número de anos que uma pessoa tem para conceber um filho é limitado. Quanto mais tempo uma pessoa espera, maior a probabilidade de se tornar infértil (coisa que cada vez mais gente que segue as novas normas da nossa cultura está descobrindo).

4) Nós temos um rumo e agimos com responsabilidade.

“Não são só os adultos que fazem os bebês: são os bebês que fazem os adultos”, diz um velho adágio, muito rico em verdade.

É claro que as pessoas precisam de um certo grau de maturidade antes de se casar, mas, em nosso caso, também é verdade que o casamento e a família tiveram um efeito muito positivo no nosso amadurecimento. Cuidar de crianças é uma responsabilidade incrivelmente grande. Criar filhos exige sacrifício em todas as áreas da vida – e isso também é uma coisa boa. É, aliás, o paradoxo do amor.

E você, acha o quê disso tudo? Concorda? Discorda? Esqueci de alguma coisa?

Anúncios

O Papa estará na Via Sacra, confessará jovens e visitará uma favela no Brasil

Retirado de http://www.acidigital.com/noticia.php?id=25361

pppapajmj180313

VATICANO, 07 Mai. 13 / 02:09 pm (ACI/EWTN Noticias).- Hoje foi divulgado o programa oficial da viagem do Papa Francisco ao Rio de Janeiro no Brasil, de 22 a 29 de julho, por ocasião da 27ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ) durante a qual visitará uma favela, receberá alguns jovens detentos e confessará a cinco jovens.

O Papa sairá do aeroporto romano de Ciampino às 8h45 a.m. de 22 de julho e chegará ao Rio de Janeiro às 4h00 p.m. (hora local). A cerimônia de boas-vindas será uma hora mais tarde nos jardins do Palácio da Guanabara do Rio do Janeiro, onde será recebido pela Presidente da República, Dilma Rousseff.

Até na quarta-feira, 24 de julho, o Santo Padre estará na Residência Sumaré do Rio de Janeiro. Nesse mesmo dia pela manhã se transladará em helicóptero ao Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida onde celebrará a Santa Missa. Logo almoçará com os bispos e os seminaristas da província no Seminário Bom Jesus de Aparecida. Pela tarde retornará ao Rio de Janeiro para visitar o hospital de São Francisco de Assis.

Na quinta-feira, 25, o Papa receberá as chaves da cidade do Rio de Janeiro e dará a bênçãos das bandeiras olímpicas no Palácio da Cidade. Nessa mesma manhã visitará a comunidade da Varginha (Manguinhos), uma favela “pacificada” onde visitará uma casa de uma família local e dará um discurso. Logo depois de um momento de oração na paróquia local o Santo Padre abençoará o altar e deixará um presente.

Pela tarde, às 18h00, na orla de Copacabana será a festa de acolhida dos jovens ao Santo Padre.

Em 26 de julho, às 10h00, o Papa confessará a cinco jovens da JMJ no parque da Quinta da Boa Vista. Às 11h30 encontrará alguns jovens detentos no Palácio Arquiepiscopal São Joaquim, onde rezará o Ângelus desde o balcão ao meio-dia.

Às 12h15 saudará ao Comitê Organizador da JMJ e aos seus benfeitores e às 13h00 almoçará, ainda no Palácio Arquiepiscopal com um grupo de jovens. Às 18h00 será a Via Sacra com os jovens na Praia de Copacabana.

No sábado, 27 de julho, será a Santa Missa celebrada com os bispos da JMJ, com os sacerdotes, religiosos e seminaristas na catedral de São Sebastião.

A seguir o Papa encontrará à classe dirigente do país no Teatro Municipal. Finalizado o encontro, almoçará com os cardeais do Brasil, a presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, os bispos da região e a comitiva papal no refeitório do Centro de Estudos do Sumaré. Às 19h30, será a Vigília de Oração com os jovens no Campus Fidei em Guaratiba.

No domingo, 28, às 9h00, o Papa celebrará a Santa Missa para a Jornada Mundial da Juventude no Campus Fidei em Guaratiba. Nessa tarde se encontrará com o Comitê de Coordenação do CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano) no Centro de Estudos do Sumaré.

O Santo Padre se despedirá de Sumaré pouco antes das 17h00 para encontrar-se com os voluntários da MJ e às 18h30 será a cerimônia de despedida do pontífice no aeroporto Galeão/Antônio Carlos Jobim. O Papa sairá do Rio do Janeiro às 19h00 e seu avião aterrissará em Roma na segunda-feira 29 de julho às 11h30.

Brasil se prepara para a JMJ Rio 2013 com um milhão de cópias do catecismo juvenil

Retirado de http://www.acidigital.com/noticia.php?id=25366

PP_jmj_rio_febrero_2013

ROMA, 08 Mai. 13 / 08:13 am (ACI/EWTN Noticias).- Com motivo da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se celebrará de 23 a 28 de julho no Rio de Janeiro, os católicos do país se preparam para distribuir um milhão de cópias do “YouCat”, o catecismo da Igreja Católica adaptado à linguagem dos jovens.

O site oficial do Pontifício Conselho para os Leigos, o dicastério responsável pela JMJ, assinala que a contagem regressiva “já começou”, e lembra que já falta menos de 100 dias para a celebração católica juvenil mais importante dos dois últimos anos.

Conforme explica, a expectativa é que a cidade receba mais de dois milhões de peregrinos.

Brasil conta com 190 milhões de habitantes dos quais, 70 por cento são católicos, dentro destes, 24 por cento são jovens menores de 24 anos.

Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), é o organismo que doará os catecismos juvenis, e o presidente da Comissão Bíblica dos Bispos brasileiros, Dom Jacinto Bergmann, está seguro de que “ajudarão a satisfazer uma profunda aspiração dos jovens, além de redescobrir o significado principal do encontro com Cristo, caminho, verdade e vida“.

O diretor da AIS no Brasil, José Correa, afirmou que o “YouCat”, ajuda os jovens a “conhecer melhor sua fé, a compreendê-la e aprofundar nela”.

A palavra “YouCat” é uma abreviação de “Youth Catechism”, em português “Catecismo para os jovens”, e o livro está inspirado no Catecismo da Igreja Católica, uma obra elaborada pela Igreja faz exatamente 20 anos.

Para a criação do “YouCat” intervieram 50 jovens. O livro explica com uma linguagem simples, acompanhado de numerosas ilustrações, notas, citas famosas, e exemplos, qual é o significado essencial da fé e da Igreja.

Foi publicado em 2011 com ocasião da Jornada Mundial da Juventude de Madri, e até agora foi difundido em português, espanhol, italiano, francês, inglês, alemão e polonês. Em 2012, com ocasião da viagem ao Líbano do Bispo emérito de Roma, Bento XVI, foi traduzido ao árabe.

Jovens precisam que lhes levemos o amor de Maria, afirma bispo brasileiro

Dom Eduardo Pinheiro da Silva

BRASILIA, 02 Mai. 13 / 09:46 am (ACI/EWTN Noticias).- O Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Eduardo Pinheiro da Silva, exortou os sacerdotes a levar aos jovens a experiência do amor maternal de Maria.

“Maria apareceu aos pastorzinhos em Fátima; a devoção à Auxiliadora foi propagada por Dom Bosco para que as crianças e os jovens, principalmente os abandonados, fizessem a experiência primordial de serem amados por uma Mãe que jamais os deixaria.”.

“Quantos adolescentes e jovens de nossa sociedade e Igreja sofrem uma carência afetiva (…). A dimensão materna em nossas relações e ações é primordial para a formação integral destes pequeninos. Não basta amar os jovens; é preciso que eles percebam que são amados!”, expressou na carta dirigida aos sacerdotes brasileiros.

Por isso, indicou, o mês de maio, que é o mês da Mãe, é também o mês dos filhos. “O coração da Mãe é moldado cuidadosamente segundo os traços do coração de Deus! Quer saber quem é Deus e o que Ele faz? O que sente, o que pensa, o que espera? Observe, então, uma mãe e se deixe inundar pela sua vida de fé, de oração, de serviço, de silêncio, de fidelidade, de presença, de luta, de perseverança, de resiliência!”, assinalou.

Nesse sentido, afirmou que a Igreja ajuda a viver esta imprescindível maternidade em tempos de grandes mudanças. Por isso, exortou os párocos e “demais amantes da causa juvenil”, deixar que o Espírito Santo os guie para que a exemplo de Maria suas vidas sejam um testemunho alegre de entrega a Deus e serviço aos irmãos.

“Vocês não imaginam o impacto e a força das pequenas coisas e gestos que realizam cotidianamente na vida dos jovens que os rodeiam!”, afirmou.

Participe da Campanha Escolhe a Vida!

campanha

Jovens brasileiros promovem adoção espiritual de um cardeal antes do início do Conclave

Retirado de http://www.acidigital.com/noticia.php?id=24964

ppconclave

BRASILIA, 28 Fev. 13 / 07:40 am (ACI/EWTN Noticias).- Cinco jovens de Brasília (Brasil) lançaram uma iniciativa para que a juventude do mundo se una em oração, jejum e mortificação neste tempo de Quaresma por todos e cada um dos 115 Cardeais que participarão do Conclave para escolher ao novo Papa.

“Unidos ao Conclave” é o nome do site onde os jovens podem oferecer um “ramalhete espiritual” por um cardeal, que pode estar conformado por Missas, orações como o Pai Nosso, Ave Maria, Ângelus, Terço, Via Sacra, Adoração Eucarística, entre outros.

“Esta é a juventude do Papa! Ao ouvir o convite do Santo Padre para suplicar pela escolha do novo Sumo Pontífice, não apenas aceitamos, mas lançamos o desafio: presentear os cardeais eleitores com ramalhetes espirituais antes do início do Conclave”, diz a página Web.

Até o fechamento desta edição, o site tem registrado mais de 40 mil Missas, 79 mil Pai Nossos, perto de 289 mil Ave Marias, mais de 40 mil Ângelus, 43 mil Terços, perto de 26 mil Via Sacras, um pouco mais de 30 mil horas de Adoração ao Santíssimo, 26 mil dias de jejuns e 30 mil sacrifícios.

“Estamos na Quaresma! Por isso, aproveitamos este chamado à oração e à penitência para intercedermos por todos os cardeais. Independente da nacionalidade, idade e personalidade do sucessor de São Pedro, desejamos apenas estar unidos a ele na JMJ 2013”, afirmam os organizadores.

Para unir-se à iniciativa, ingresse em: http://www.1conclave.com/

Santa Maria e são José: modelo para os casais de hoje

Retirado de http://www.zenit.org/pt/articles/santa-maria-e-sao-jose-modelo-para-os-casais-de-hoje

sagrada-familia

 

São Paulo, 07 de Fevereiro de 2013 (Zenit.org). Edson Sampel | 264 visitas

Vamos direto ao ponto: pode-se afirmar que santa Maria, a mãe de Jesus, teve relações sexuais com são José, seu esposo? A resposta é negativa. Com efeito, a Igreja sempre ensinou que Maria permaneceu virgem antes, durante e depois do parto de seu único filho, Jesus de Nazaré. Jamais houve comércio sexual entre os cônjuges da sagrada família! Sem embargo, conforme explicou Ratzinger, “(…) a doutrina do ser divino de Jesus não sofreria nenhuma restrição, se Jesus fosse o fruto de um casamento humano convencional, porque a filiação divina, que é objeto da fé cristã, não é um fato biológico e sim ontológico (…).” (“Introdução ao Cristianismo”, p. 204).

 Em que consistia a intimidade conjugal de Maria e José? É e não é difícil dizê-lo. Comecemos pelo “não é”. Certamente, como em muitos matrimônios, Maria e José nutriam entre si um amor esponsal imenso, expresso assim na caridade como em permutas afetivas honestas, para empregar as palavras dos especialistas em teologia moral. Por outro lado, é difícil delinear o pano de fundo dessas santíssimas interações entre a mãe e o pai adotivo de Jesus, porquanto não dispomos de elementos, quer escriturísticos quer oriundos da sagrada tradição.

Numa sociedade que supervaloriza o sexo, soa um tanto quanto incongruente  propor os sagrados cônjuges como modelo de casal. Afinal de contas, há quem diga,   inclusive em “curso de noivos”, que o sexo é 70% responsável pelo sucesso do casamento. No entanto, com arrimo na fé, a sagrada família é um paradigma lucipotente e insuperável dos comportamentos maduros e amorosos a serem concretizados entre esposos e filhos. Conclui-se, portanto, que o mais importante no casamento é o amor, e não o sexo. A fé dos cônjuges, também, é relevante. Bento XVI, aproveitando o Ano da Fé (2012 a 2013), sublinhou a relevância decisiva da virtude teologal da fé por parte dos casados: “(…) Cerrar-se a Deus ou rechaçar a dimensão sagrada da união conjugal e do seu valor na ordem da graça tornam árdua a vivência concreta do altíssimo modelo de matrimônio concebido pela Igreja, segundo o plano de Deus (…)” (Discurso aos auditores da Rota Romana, 26/1/2013).

Verificamos, então, que é na sagrada família, uma célula social do passado distante, prenhe de amor e de fé, que os casais católicos têm de buscar inspiração para a vivência concreta do seu respectivo conúbio, embora, conforme escrevemos acima, haja parcos dados a propósito do convívio histórico entre Maria e José. Neste momento, socorre-nos a meta-história, vez que Maria santíssima, qual arquétipo perfeito de mãe e de esposa, do céu assiste qualquer casal que a ela recorre, que lhe pede para rogar a Jesus, o único dador das graças, por luzes e forças para a vida a dois.

Não resta dúvida de que o rosário ou terço, uma oração cristológica caríssima a nossa Senhora, é um meio exímio de os casais contemporâneos implementarem no seu casamento específico a essência do que constituiu o matrimônio terrestre entre Maria e José.

Edson Luiz Sampel é Teólogo e doutor em Direito Canônico pela Pontifícia Universidade Lateranense, do Vaticano. Membro da Academia Marial de Aparecida (AMA) e da União dos Juristas Católicos de São Paulo (Ujucasp).

%d blogueiros gostam disto: